Pesquisar este blog

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Plasma Rico em Plaqueta (PRP) e Plasma Rico em Fibrina (PRF)


Técnica auto hemoterápica regenerativa das lesões de tecidos musculares, tendões, cartilagens e tecido ósseo ;

                                                              Protocolo de Obtenção PRP


O plasma rico em plaquetas é obtido através de centrifugação do sangue. O resultado é uma concentração acentuada de plaquetas em um reduzido volume plasmático. O PRP contém sete FCs e três proteínas – fibrina, fibronectina e vitronectina - que atuam como moléculas de adesão celular nos processos de migração eptelial, osteoindução e na formação de matriz óssea e de tecido conjuntivo.





















                                                                 


Fontes de aquisição

a- g: Força Centrífuga do Rotor; FCR = (1,118 x 10-5 ) . r (raio do eixo da centrífuga) . n2(rotação/minuto)



Ação do plasma Rico em Plaqueta

O plasma rico em plaquetas (PRP) tem sido bastante estudado na área de odontologia, sendo empregado principalmente em pequenos enxertos ósseos na região alveolar para futuros implantes dentários e em cirurgias periodontais e maxilo-faciais.Sua utilização em medicina ainda é pequena, porém os estudos existentes sobre este produto mostram um grande potencial de melhorar os resultados em diversos procedimentos ortopédicos, neurocirúrgicos e de cirurgia plástica.
O PRP é uma concentração autóloga de plaquetas em um pequeno volume de plasma, com a conseqüente presença de fatores de crescimento (FC) liberados por estas plaquetas, além de proteínas osteocondutoras, que também servem de matriz para migração epitelial e formação óssea e de tecido conectivo
As plaquetas atuam no processo de hemostasia, cicatrização de feridas e re-epitelização.
Elas liberam diversos FC que estimulam a angiogênese, promovendo crescimento vascular e proliferação de fibroblastos, que por sua vez proporcionam um aumento na síntese de colágeno.
Estas propriedades das plaquetas tornam o PRP um produto com grande potencial de melhorar a integração de enxertos, sejam eles ósseos, cutâneos, cartilaginosos ou de gordura, bem como estimular a cicatrização de feridas. Nas cirurgias em que se trabalha com retalhos cutâneos, inclusive mamoplastias, abdominoplastias e ritidoplastias, o PRP ajuda na hemostasia e estimula o desenvolvimento da neovascularização, diminuindo assim complicações como hematomas, seromas e sofrimento vascular dos retalhos.
Estas propriedades podem ser empregadas para melhorar o tratamento de feridas no membro inferior que costumam evoluir com uma cicatrização mais lenta e com a incidência de complicações nos retalhos locais maior que em outras partes do corpo.
O gel de PRP é obtido através da adição de trombina e gluconato de cálcio ao PRP. Estes ativam o sistema de coagulação, resultando na gelação do PRP, o que facilita sua aplicação em diversas cirurgias e também ativam as plaquetas.
Inicialmente o PRP era obtido através de máquinas de plasmaferese e utilizava-se a trombina bovina para sua ativação. O interesse em facilitar sua obtenção e diminuir os custos fez com que surgissem algumas máquinas automatizadas e diversos protocolos, inclusive com substituição da trombina bovina por trombina autóloga.
As máquinas automatizadas com seus "kits" tornam simples a obtenção do PRP, porém os custos ainda são elevados. Assim, alguns protocolos foram criados para se obter pequenas quantidades de PRP e trombina autólogos, utilizando-se centrífugas comuns e reduzindo muito os custos na preparação do produto.

Reportagem exibida pelo Globo Esporte



Segue minha comunidade referente ao assunto:
                        http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=5382850

Um comentário:

  1. Boa noite.
    Como obtenho o PRP? Qual o produto deve ter no frasco de coleta para que se consiga uma maior quantidade de plaquetas?

    ResponderExcluir